Namoro e casamento

O período de namoro é, certamente, um tempo muito gratificante. É a época quando o casal começa a conhecer os gostos, propósitos e até manias um do outro. Nesta fase do relacionamento, tudo parece beirar à perfeição. É quando o tempo passa rápido demais quando estão juntos, e devagar demais quando estão longe. É quando tudo o que o outro faz se torna a coisa mais interessante do mundo, mesmo que nenhuma outra pessoa demonstre o mesmo interesse. É quando se perdoam tão rapidamente que nem parece que chegaram a discutir.

Apesar destas características especiais, porém, o namoro não é a fase mais importante no relacionamento de um casal, e nem mesmo deve ser considerado como “a melhor fase”, como se costuma dizer. Minha esposa e eu, enquanto namoráveis, dizíamos um ao outro que, apesar de o nosso namoro ser santo e especial, iríamos trabalhar juntos para que aquela fosse a pior fase do nosso relacionamento. Isto não quer dizer que iríamos tornar o nosso namoro numa verdadeira sucessão de desastres e desentendimento. Quer dizer que, por melhor que fosse nosso namoro, faríamos o possível para que o nosso casamento fosse muito melhor. E Deus está nos dando a graça para conseguir este objetivo!

Precisamos admitir, entretanto, que não é uma tarefa fácil tornar o casamento num relacionamento melhor do que o namoro. No namoro, os casais tentam mostra um ao outro o melhor que têm de si. Já no casamento, é impossível esconder o pior que têm de si. E é exatamente este pior que torna as coisas difíceis e desagradáveis no casamento. O relacionamento de Isaque e Rebeca, descrito no livro de Gênesis, nos dá uma boa ilustração desta verdade. Apesar de ser antigo, seus erros e acertos são bem atuais. Repare alguns aspectos positivos e outros negativos no relacionamento deles:

A) Exemplos positivos:
· Direção (Gn 24:7, 27) – foram guiados no início do casamento.
· Dependência (Gn 25:21) – oraram a Deus para gerar filhos.
· Diversão (Gn 26:8) – evidencia de alegria dentro do casamento.

B) Exemplos negativos:
· Divisão (Gn 25: 28) – cada um preferindo um filho.
· Decepção (Gn 27:5-17) – um cônjuge enganando o outro na maturidade do casamento.

Os exemplos positivos e negativos no relacionamento de Isaque e Rebeca nos ensinam que mesmo um relacionamento iniciado “no Senhor” (I Co 7:39) precisa de manutenção diária, para não degenerar. Mas também nos ensinam que, agora casados, os casais podem alcançar objetivos que eram impossíveis no período de namoro. Agora podem desfrutar de forma dobrada pelo resultado do seu trabalho, podem levantar um ao outro quando estiverem desanimados, podem se aquecer nas noites frias e podem resistir com tripla firmeza quando alguém se levantar para lhes fazer algum mal (Ec 4:9-12).

De fato, o namoro é bom, mas o casamento é muito melhor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *